Voltar à página principal
Pintura Notícias Textos de Teresa Magalhães Recortes de Imprensa Sobre a Pintura Contactos


Texto do catálogo - Exposição Individual – Sala Atlântica - Galeria Nasoni, Janeiro de 1988, Porto
 Carta de Maria Filomena Molder a Teresa Magalhães

“É incrível como as telas resistem aos nossos olhares: queremos falar delas e resistem à nossa boca ou àquilo que do olhar vem à nossa boca.


Vejo-te a encher a tela, pedindo à impaciência que saia, assim te reconcilias com todas as cores ( mesmo as da morte, dos presságios, da cegueira ), deixas brilhar simetrias e procuras o centro, aproximas-te do centro. O amor da pintura tudo contém: amas o leve e o pesado, as manchas desejam as formas ( e estas seduzidas querem aparecer ), nas pinceladas ou pela boca dos tubos de tinta corre o anseio e a nostalgia das primeiras formas, as da geometria, sobretudo o triângulo cósmico
( aquele que mostra que não pode haver uma coisa só, mas muitas ).


 
 

Várias línguas conhece, agora, a tua pintura – já não são chuvas nem fragmentos das lembranças que pousam ou caem, rodopiando – agora queres ligar, encadear e dividir, atear incêndios sem deixar cinzas, desse modo se descobrem os astros, navios da abóbada celeste, pontes e rios, nuvens, correrias e encontros ( e brincadeiras de criança, súbitos risos, breves como esses semí–círculos que aparecem em muitas telas ).


O teu pensamento anda há muito em viagem, guardando as coisas que vêm, sem que saibas como, parar às tuas mãos, aos teus bolsos, às vezes nem dás por nada, mas és guiada pelo seu movimento, narradora do mundo. Por isso fazes sinais, acenos – há excessos nessa vontade de conter, de tudo abraçar – enquanto se entretece cada vez mais o mistério da cor que é, como Goethe o pensava, o grão da cegueira quantum satis, desatino da quase escuridão que brilha.

 


Escrito em lembrança ( e com reconhecimento ) da exposição das telas mais recentes de Teresa Magalhães que vi numa soalheira tarde de sexta – feira ( ainda no inverno ), durante a que ouvi o Marcos a tocar cravo ( o que me deliciou ), tendo ainda saboreado um perfumado chá.
Beijos para os dois
Da M. Filomena


 

24 – 25 de Março 1986


 

 


  © 2008 Teresa Magalhães. Todos os Direitos Reservados || Desenvolvido por workinblues multimedia